Escola Artística e Profissional Árvore
Artigo

Escola Árvore coloca o design e a criatividade ao serviço da indústria

A Escola Artística e Profissional Árvore reforça a aposta nos cursos profissionais de design, como modo de contribuir para o desenvolvimento económico e social da região norte e do país, num momento em que a redução do desemprego passa pelo relançamento industrial na Europa, o qual se apresenta como necessidade imperiosa para dotar os países europeus dos meios indispensáveis para responder às necessidades dos seus cidadãos e dos serviços públicos de educação e saúde, reduzindo a dependência das Europa face ao Oriente, conforme foi demonstrado pela emergência do surto de COVID 19.

O processo de reindustrialização da Europa vem criar novas condições para a relocalização de algumas indústrias na Europa, bem como para a criação de novas empresas capazes de responder de um modo mais rápido e eficiente às necessidades de abastecimento dos mercados. Portugal apresenta-se com enormes potencialidades para responder a essas necessidades, dada a qualidade dos seus trabalhadores, os baixos custos de produção e a experiência de vastos setores profissionais, que têm possibilitado a afirmação da qualidade do produto nacional na Europa e no Mundo.

O sucesso deste empreendimento está relacionado com a capacidade de integração de inovação e desenvolvimento na produção, para o que o design e a criatividade são instrumentos indispensáveis.

Criada há 30 anos, a Escola Árvore, dedicou-se sempre exclusivamente a cursos que exigem competências artísticas, tendo o trabalho de projeto como eixo central do seu projeto educativo.  A criatividade, a capacidade de resolução de problemas, a flexibilidade curricular, uma relação professor/aluno de proximidade, foram desde sempre vertentes de vanguarda do seu processo pedagógico, dotando esta Escola das capacidades necessárias para fazer face aos novos desafios. Assim foi quando, decidiu alargar o conceito de prova de aptidão profissional (obrigatório no final dos cursos), a todos os anos letivos, através de uma prova de avaliação final, de modo a desenvolver as competências de comunicação, gestão do tempo e trabalho de projeto, criando melhores condições de sucesso no final do curso. Assim foi quando aderiu ao movimento das escolas associadas da UNESCO, sendo hoje o membro mais antigo destas escolas associadas que trabalham para implementar os valores da paz e cooperação entre os povos preconizados pela UNESCO e os objetivos das Nações Unidas para 2030. Assim foi quando, em resposta à emergência da COVID 19, implementou em três dias um sistema que possibilitou a todos os alunos e professores continuarem o seu processo de ensino/aprendizagem à distância, através da distribuição de computadores e rede internet a todos os alunos que não dispunham de tal e da formação de todo o seu pessoal docente e não docente para as novas ferramentas digitais, esforço esse reconhecido pela União Europeia, como exemplo Europeu de boas práticas de resposta à COVID 19. Assim foi quando adotou medidas excecionais de apoio para fazer regressar os seus alunos e diplomados que se encontravam em mobilidade ERASMUS em Espanha e Barcelona, no início da pandemia naqueles países.

No momento em que o Ministério da Educação decidiu implementar a flexibilidade curricular que desde sempre vigorou na Escola Árvore, esta escola decidiu participar num projeto piloto em parceria com a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, o PBL – Problem Based Learning (aprendizagem baseada em problemas), colocando seis professores nesse projeto de formação/ação, com o intuito de disseminar em toda a Escola tais competências, como forma de ampliar as metodologias do trabalho de projeto que integra o seu projeto educativo.

A nova metodologia de PBL será implementada no próximo ano letivo nos cursos da Escola Árvore, contribuindo para uma melhoria das competências dos seus alunos e diplomados, de modo a torná-los mais capazes de responder aos desafios do mundo do trabalho e do ensino superior.

A Escola Artística e Profissional Árvore continuará no ano letivo de 2020-2021 a apostar exclusivamente em cursos profissionais que requerem competências artísticas e digitais, tais como Técnicos de Design, Desenho Digital 3D, Coordenação e Produção de Moda, Design de Moda, Design Gráfico, Animação 2D 3D ou Multimédia.

A empregabilidade dos diplomados dos cursos de incidência em design e artes digitais, que irão beneficiar da aposta pedagógica e metodológica da Escola Árvore, sairá reforçada, dando um importante contributo para o relançamento industrial e o desenvolvimento económico e social do país.

Horácio Lourenço,
Mestre em Filosofia da Educação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.